EDUCAÇÃO SUPERIOR TECNOLÓGICA E O IMPACTO DOS ESTILOS DE APRENDIZAGEM NO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA GERENTES-EMPREENDEDORES DE PEQUENAS EMPRESAS

Ana Teresa Colenci Trevelin

Abstract


A educação atualmente é vista como uma prioridade em todo o mundo, onde o conhecimento torna-se o item de maior importância na corrida pela eficiência e maior competitividade. No Brasil, apesar de ser a educação superior de graduação tecnológica um tema da maior importância para o processo de inclusão social, porque tem como premissa promover o desenvolvimento de competências adequadas às demandas da economia globalizada, pode-se constatar que ainda há muito que se fazer. Torna-se evidente que o conhecimento e o desenvolvimento das competências empreendedoras são essenciais para o desenvolvimento e para a modernidade.

Este trabalho investiga e analisa a maneira como o ensino tecnológico vem sendo ministrado em função das competências exigidas do profissional, e como o conhecimento dos estilos de aprendizagem dos alunos, ou seja, a maneira como percebem e processam as informações pode contribuir para a elaboração de estratégias de ensino, tornando-o mais eficiente e significativo.  


Keywords


Educação Superior Tecnológica; Estilos de Aprendizagem; Competências Empreendedoras.

References


Alonso, C. M. Gallego, D. J. y Honey, P. (1994). Los Estilos de Aprendizaje. Procedimientos de Diagnóstico e Mejora. 1ª ed. Bilbao: Mensajero.

Antal, A. B.; Dierkes, M; Child, J.; et al. (2001). Organizational learning and knowledge: Reflections on the dynamics of the field and challenges for the future. In: DIERKES, M. et al.(Orgs.) Handbook of organizational learning & Knowledge. Oxford: Oxford University Press, 921-939.

Ausubel, D. P. et. al. (1983). Psicologia Educativa: um punto de vista cognoscitivo. México. Trillas.

Barini Filho, U. Transmissão da competência empreendedora: Um estudo de casos múltiplos. 2008. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008

Bitencourt, C. C. (2005). Gestão de competências e aprendizagem nas organizações. São Leopoldo/RS: Unisinos.

Bloom, B. S. Et. al. Taxionomia dos objetivos educacionais. Traduzido por Flávia Maria Santana. Porto Alegre: Globo. 1973

Carter, C. et. al. (2000). Keys to Effective Learning. 2 ed. New Jersey: Prentice Hall.

Carrizosa, K & Sheppard, S. (2000). The Importance of Learning Styles in Group Design Work. In: 30th ASEE/ICEE Frontiers in education conference. Kansas City: MO.

Cooley, L. (1990). Entrepreneurship training and the strengthening of entrepreneurial performance. Final Report. Contract N. DAN-5314-C-00-3074-00. Washington: USAID.

Colenci Jr. A ; Colenci, A. T. (2004) Uma Contribuição aos Tratamentos Sistêmicos e Metodológicos dos Cursos Superiores de Graduação em Tecnologia: a busca por uma adequada metodologia de ensino-aprendizagem. In: XXIV ENEGEP, 2004, Florianópolis. XXIV ENEGEP.

Colenci Jr. A.; Colenci, A. T. (2004). Novas exigências de atuação acadêmica de cenário globalizado: A busca por uma adequada metodologia de ensino - aprendizagem. In: COBENGE, 2004, Brasília. Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia.

Duff, A. (2004). Approaches to learning: the revised approaches to studying inventory. Active Learning in Higher Education, London, v. 5, n. 1, 56–72.

Dunn, R.; Dunn, K. (1978). Teaching students through their individual learning styles: a practical approach. Reston, VA: Reston Publishing Co.

Dunn, R.; Dunn, K.; Price, G. E. (1982). Productivity environmental preference survey. Lawrence, KS: Price Systems.

Entwistle, N. J.; Tait, H. (1995). The revised approaches to studying inventory. Edinburgh, UK: University of Edinburgh Centre for Research on Learning and Instruction.

Felder, R. M.; Silverman, L.K. (1988). Learning and Teaching Styles in Engineering Education. Engineering Education, 78(7), April, 674-681.

Felder, R. M.; Soloman, B. A. (1991) Index of Learning Styles. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2005.

Fleming, N. D. (2001). Teaching and learning styles: VARK strategies. Christchurch, New Zealand: N. D. Fleming.

Freire P. (2006). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo: Paz e Terra.

Felder, R M. (1987). Learning Styles and Strategies; North Caroline, NC; North Caroline State University;. Traduzido por Marcius F. Giorgetti e Nídia Pavan Kuri.

Freitas, I. A. De.; Brandão, H. P. (2006). Trilhas de aprendizagem como estratégias de TD&E. In: BORGES-ANDRADE, J. E.; ABBAD, G. DA S.; MOURÃO, L. Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed, 97-113.

Gregorc, A. F.; Ward, H. B. (1977). A new definition for individual: implications for learning And Teaching. NASSP Bulletin.

Gregorc, A. F. (1985). Inside styles: beyond the basics. Maynard, MA: Gabriel Systems.

Grinspun, M. P. S. Z. (1994). Os Novos Paradigmas em Educação: os caminhos viáveis para uma análise. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 75, nº 179/180/181, 1994.

Kolb, D. A. (1984). Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, Englewood Cliffs.

Lum, L.; Bradley, P.; Rasheed, N. (2011). Accommodating learning styles in international bridging education programs. Higher Education, Skills and Work-based Learning, v. 1, n. 2, 147-168.

Mizukami Mgn (1986). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU;

Neiva, J., & Trevelin, A. (2011). Estilos de aprendizagem e avaliação. Em D. Barros, Estilos de Aprendizagem na Atualidade - Parte 1. Lisboa. Obtido em 25 de 01 de 2016, de http://estilosdeaprendizagem-vol01.blogspot.pt/

Peterossi, H.G. (1998). Por uma FATEC Melhor. São Paulo:Copydart.183 p.

Politis, D. (2005). The process of entrepreneurial learning: A conceptual framework. Entrepreneurship Theory and Practice, p. 399-424, July.

Schein, E. (1985). Organizational Culture and Leadership. San Francisco: Jossey-Bass Publishers

Sebrae (2003). SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Termo de Referência para Atuação do Sistema SEBRAE em Arranjos Produtivos Locais. Brasília: Edição SEBRAE, jul. (Série Documento).

Souza, Eda C. L. de (Org). (2000) Empreendedorismo: competência essencial para pequena e médias empresas. Brasília: Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas (Anprotec).

Tocci, A.M., (2015). Caracterización de Estilos de Aprendizaje en alumnos de Ingenieria secún el modelo de Felder e Silverman. Journal of Learning Styles, Vol. 8, nº 16.

Trevelin, A. T. C. (2007). A relação professor aluno estudada sob a ótica dos estilos de aprendizagem: análise em uma Faculdade de Tecnologia - FATEC. Tese de doutorado. Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP), São Carlos.

Trevelin A.T. C., Pereira A. & Neto D. (2013). A utilização da Sala de aula invertida em cursos superiores de Tecnologia: Comparação entre o modelo tradicional e o modelo Flipped Classroom adaptado aos estilos de aprendizagem. Revista de Estilos de Aprendizagem, nº12, Vol 11, outubro.

Walter, C.E.S; Fortes, P.J.O. (2014) A influência da configuração das aulas e das avaliações na aprendizagem: um estudo de caso dos alunos do curso de Gestão da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Journal of Learning Styles, Vol. 7. nº 13.

Wankat, P.C.; Oreovicz, F.S. (1993). Teaching Engineering. McGraw-Hill, U.S.A. Cap. 13, 244-263.

Zampier, M. A.; Takahashi, A. R. W. (2011). Competências empreendedoras e processos de aprendizagem empreendedora: modelo conceitual de pesquisa. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 9, Edição Especial, 565-585.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.