Dos Estilos Aos Compromissos de Aprendizagem: Quando as Interações Lideram

Nuno José Miranda e Silva, Susana Henriques

Abstract


Os estilos de aprendizagem significam que há muitas formas de aprender, o que incentiva os docentes a inovar e influencia o futuro da escola. Assim, as interações resultam em mudanças e inovações e constituem-se como liderança, o que desafia a visão tradicional em que os líderes formais determinam o futuro e o caminho para aí chegar. Isto traduz um sistema complexo (muitos agentes em interação) que se adapta em função dos estímulos que os alunos colocam, o que aconselha a que se reflita sobre as consequências da complexidade das escolas e aprendizagem na gestão e liderança educacional. São apresentadas as caraterísticas dos sistemas adaptativos complexos e discutidas as consequências da variabilidade e complexidade na liderança e documentos e processos estruturantes das organizações educativas. As conclusões sugerem que a pesquisa nestas áreas, à luz da teoria da complexidade, pode concorrer para que a organização das escolas favoreça os docentes que buscam adaptar-se aos estilos de aprendizagem. 


Keywords


Estilos de Aprendizagem, Sistemas Adaptativas Complexos, Liderança, Inovação.

References


Azevedo, R., Fernandes, E., Lourenço, H., Barbosa, J., Silva, J., Costa, L., & Nunes, S. (2011). Projetos educativos: Elaboração, monitorização e avaliação - Guião de apoio. Lisboa: Agência Nacional para a Qualificação, I.P.

Barroso, J. (2013). A emergência do local e os novos modos de regulação das políticas educativas. Educação, Temas e Problemas, 12 e 13, pp. 13-25.

Bass, M. (1985). Leadership and performance beyond expectations. New York: Free Press.

Cilliers, P (2000). What can we learn from a theory of complexity? Emergence, 2(1), pp. 23-33. Doi: http://dx.doi.org/10.1207/S15327000EM0201_03

Cerqueira, T. (2008). Estilos de aprendizagem de Kolb e sua importância na educação. Revista de Estilos de Aprendizagem, 1(1), pp. 109-123. Obtido em 25 de 02 de 2016, de http://www2.uned.es/revistaestilosdeaprendizaje/portugues/

Costa, T. & Afonso, N. (2009). Os instrumentos de regulação baseados no conhecimento: O caso do Programme for International Student Assessment (PISA), Educação e Sociedade, 109, pp. 1037-1055. Obtido em 12-12-2015, de http://repositorio.ul.pt/handle/10451/5520.

Coyne, R. (2005). Wicked Problems Revisited. Design Studies, 26(1):5-17. Doi: 10.1016/j.destud.2004.06.005

Direção-Geral de Estatística da Educação e Ciência. (s.d.). Modelos para comparação estatística dos resultados académicos em escolas de contexto análogo. Direção-Geral de Estatística da Educação e Ciência. Obtido em 04 de 01 de 2016, de http://www.ige.min-edu.pt/stats.asp?newsID=1598&url=http%3A%2F%2Fwww%2Edgeec%2Emec%2Ept%2Fnp4%2F120%2F

Durlak, J., Weissberg, R., Dymnicki, A., & Schellinger, K. (2011). The impact of enhancing student's social and emotional learning: A meta-analysis of school-based universal interventions. Child Development, 82(1), pp. 405-432.

Fiedler, F., & Garcia, J. (1987). New approaches to effective leadership. New York: Jonh Wiley.

Fonseca, M., Bueno, O., & Cardoso, T. (2013). Análise entre a associação dos estilos de aprendizagem com o gênero, faixa etária e inteligência de crianças brasileiras do ensino fundamental. Revista de Estilos de Aprendizagem, 11(11), pp. 212-229. Obtido em 25 de 01 de 2016, de http://www2.uned.es/revistaestilosdeaprendizaje/numero_11/lsr_11_abril_2013.pdf

Formosinho, J., & Machado, J. (.). Da avaliação ao contratoprograma de desenvolvimento da escola: As preocupações pedagógicas e curriculares dos gestores escolares. ormosinho, J., & Machado, J. (s.d.). Da avaliação ao contratoproAvaliação e Currículo: Actas do 22º Colóquio Internacional da ADMEE EUROPE, (pp. 471-489).

Fullan, M. (2001). Leading in a culture of change. San Francisco: Jossey-Bass.

Gallego, D. (2013). Ya he diagnosticado el estilo de aprendizaje de mis alumnos, y ahora ¿Que hago? Revista de Estilos de Aprendizagem, 11(12), pp. 1-15. Obtido em 01 de 02 de 2016, de http://www2.uned.es/revistaestilosdeaprendizaje/numero_12/lsr_12_octubre_2013.pdf

González-Peitado, M. (2013). Los estilos de enseñanza y aprendizaje como soporte de la actividad docente. Revista de Estilos de Aprendizagem, 11(11), pp. 51-70. Obtido em 25 de 02 de 2016, de http://www2.uned.es/revistaestilosdeaprendizaje/numero_11/lsr_11_abril_2013.pdf

Hamido, G. (2007). Escola, ecologia viva e reflexiva: O poder de mudar. Interacções, 7, pp. 141-178. Obtido em 04 de 01 de 2016, de http://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/349/304

Hazy, J., & Uhl-Bien, M. (2013). Hazy,Towards operatiolizing complexity leadership: How generative, administrative and community-building leadership pratices enact organizational outcomes. Leadership, pp. 1-26. doi:10.1177/17427150135118833

Leithwood, K., Patten, K., & Jantzi, D. (2010). Testing a conception of how school leadership influences student learning. Educational Administration Quarterly, pp. 671-706. doi:dx.doi.org/10.1177/0013161X10377347

Marion, R., & Uhl-Bien, M. (2001). Leadership in complex organizations. The Leadership Quarterly, 12, pp. 389-418. Doi: 10.1016/S1048- 9843(01)00092-3.

Mason, M. (2008). What is complexity theory and what are its implicatiosn for educational change? Educational Philosophy and Theory, 40(1), pp. 356-369. doi:10.111/j.1469-5812.2007.00413.x

Neiva, J., & Trevelin, A. (2011). Estilos de aprendizagem e avaliação. Em D. Barros, Estilos de Aprendizagem na Atualidade - Parte 1. Lisboa. Obtido em 25 de 01 de 2016, de http://estilosdeaprendizagem-vol01.blogspot.pt/

Nóvoa, A. (2006). A escola e a cidadania: Apontamentos incómodos. Em R. D'Espiney, Espaços e sujeitos de cidadania. Setúbal: Instituto das Comunidades Educativas. Obtido em 04 de 01 de 2016, de repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4811/1/9729604894.pdf

Nuñez, J., Herrera, C., & Rodriguez, A. (2013). Incidencia de los estilos de altendizaje en el aprovechamiento académico de los alumnos de comunicación utilizando el ipod. Revista de Estilos de Aprendizagem, 11(12), pp. 76-99.. Obtide em 12 de 12 de 2014, de https://repositorio.itesm.mx/ortec/bitstream/11285/578244/6/Incidencia+de+los+estilos+de+aprendizaje+en+el+aprovechamiento+academico.pdf

Pacheco, J. (2015). Relatório do projeto AEENS: Impacto e efeitos da avaliação externa. Avaliação Externa das Escolas (pp. 33-50). Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Obtido em 12 de 12 de 2015, de http://www.cnedu.pt/content/edicoes/seminarios_e_coloquios/LIVROCNE_AVALIAÇÃO_EXTERNA_DAS_ESCOLAS.pdf

Patterson, L., Holladay, R., & Eoyang, G. (2013). Radical rules for schools: Adaptive action for complex change. Human Systems Dynamics Institute.

Plowman, D., & Duchon, D. (2008). Dispelling the myths about leadership: From cybernetics to emergence. Em M. Uhl-Bien, & R. Marion, Complexity leadership. Part I: Conceptual foundations (pp. 129-153).

Plowman, D., Solansky, S., Beck, T., Baker, L., Kulkarni, M., & Travis, D. (2007). The role of leadership in emergent, self-organization. The Leadership Quarterly, 18, pp. 341-356. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.leaqua.2007.04.004

Portilho, E., & Afonso, M. (2011). A prática pedagógica da professora de educaçao infantil à luz dos estilos de aprendizagem. Em D. Barros, Estilos de Aprendizagem na Atualidade - Volume 1. Lisboa. Obtido em 25 de 01 de 2016, de http://estilosdeaprendizagem-vol01.blogspot.pt/

Rittel, W. & Webber, M. (1973). Dilemmas in a general theory of planning. Policy Sciences, 4(2), pp. 155-169. Doi: 10.1007/BF01405730

Rodrigues, P., & Moreira, J. (2015). Processos e impactos da avaliação externa de escolas do ensino não superior: O que dizem os Diretores. Avaliação Externa das Escolas (pp. 61-109). Lisboa: Conselho Nacional de Educação. Obtido em 12 de 12 de 2015, de http://www.cnedu.pt/content/edicoes/seminarios_e_coloquios/LIVROCNE_AVALIAÇÃO_EXTERNA_DAS_ESCOLAS.pdf

Rousse, W. (2007). Health care as a complex adaptive system: Implications for design and management. The Bridge, 38(1), pp. 17-25. Obtido em 04 de 01 de 2016, de www.nae.edu/File.aspx?id=7417

Senge, P. (2006). A quinta disciplina: Arte e prática da organização que aprende. Rio de Janeiro: Best Seller.

Snowden, D. (2005). Multi-ontology sense making: The new simplicity in decision making. Informatics in Primary Care, 13, pp. 45-53.

Snowden, D., & Boone, M. (Novembro de 2007). A leader`s framework for decision-making. Harvard Bussiness School Review, pp. 68-76.

Snyder, S. (2014). The simple, the complicated and the complex: Educational reform through the lens of complexity theory. [OECD Education working papers n.º 96]. Paris: OECD Publishing. doi:http://dx.doi.org/10.1787/5k3txnpt1lnr-en

Sternberg, R. (1997). Successful intelligence. New York: Penguin Putman.

Stronach, I., Corbin, B., McNamara, O., Stark, S., & Warne, T. (2002). Twords an uncertain politics of professionalism: Teacher and nurse identities in the flux. Journal of Education Policy, 17(1), pp. 109-138. doi:10.1080/02680930110100081

Tezani, T. (2011). Estilos de aprendizagem e o currículo: Concrções dos profissionais do ensino fundamental da rede pública municipal . Em D. Barros , Estilos de Aprendizagem na Atualidade - Volume. Lisboa. Obtido em 21 de 01 de 2016, de http://estilosdeaprendizagem-vol01.blogspot.pt/

Thurler, M. (2001). Inovar no Interior da Escola. Porto Alegre: Artemed.

Torres, L. (2008). A escola como entreposto cultural: o cultural e o simbólico no desenvolvimento democrático da escola. Revista Portuguesa de Educação, 21(1), pp. 58-81.

Torres, L. (2011). Liderança singular na escola democrática: Ameaças e contradições. Revista Elo, 18, pp. 58-81..

Uhl-Bien, M., Marion, R., & McKelvey, B. (2007). Complexity leadership theory: Shigting leadership from the industrial age to the knowledge era. The Leadership Quarterly, 18(4), pp. 298-318.

Zirkel, S. (2002). A inteligência social: O desenvolvimento e a manutenção do comportamento proposital. Em R. Bar-On, & J. Parker, Manual de inteligência emocional: Teoria e aplicação em casa, na escola e no trabalho. Porto Alegre: Artmed

Zins, J. E., & Elias, M. J. (2006). Social and emotional learning. In G. G. Bear & K. M. Minke (Eds.), Children’s needs III: Development, prevention, and intervention (pp. 1-13). Bethesda, MD: National Association of School Psychologists.

Zirkel, S. (2002). A inteligência social: O desenvolvimento e a manutenção do comportamento proposital. Em R. Bar-On, & J. Parker, Manual de inteligência emocional: Teoria e aplicação em casa, na escola e no trabalho. Porto Alegre: Artmed

Zivkovic, S, T. (2015). A complexty based diagnostic tool for tackling wicked problems. Emergence: Complexity and Organization, 17(4). Obtido em 01 de 09 de 2016, de https://journal.emergentpublications.com/article/a-complexity-based-diagnostic-tool-for-tackling-wicked-problems/


Refbacks

  • There are currently no refbacks.