A influência dos estilos de aprendizagem no desempenho de grupos de trabalho

Cicero Eduardo Walter, Paulo Jordão Fortes, Caio Flávio Stettiner, David Fernando Ramos

Abstract


Uma importante questão do ambiente empresarial é a importância da formação de equipes de trabalho eficazes para a resolução de problemas cada vez mais complexos, que embora sejam muitas vezes legadas aos sentimentos de proximidade e afinidade, não geram os efeitos desejados no ato da sua constituição. Este artigo pretende evidenciar como os estilos de aprendizagem individuais dos membros de um determinado grupo podem servir de indicador para a constituição de equipes mais efetivas. Foi realizada uma pesquisa exploratória por meio um estudo de caso ao longo de um período de quatro meses com estudantes do curso técnico em Administração de Empresas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí-Campus Oeiras, que é uma instituição de educação superior, básica e profissional, pluricurricular, multicampi e descentralizada. Os estudantes foram submetidos à realização de trabalhos em grupos formados espontaneamente e avaliados de forma tanto individual quanto grupal, que serviram de indicadores para comparações com os estilos de aprendizagem individuais. Os resultados preliminares apontaram que o grupo que possuía estilos de aprendizagem mais homogêneos obteve desempenho melhor do que os grupos cujos membros possuíam estilos de aprendizagem divergentes.


Keywords


: Learning Styles. Individual Performance. Group Performance

References


ALMEIDA. K. (2010). Descrição e Análise de diferentes estilos de aprendizagem. Revista Interlocução, v.3, n.3, p.38-49, publicação semestral, março-outubro.

BAZERMAN, M. CHUGH, D. (2008). Decisões sem antolhos. Subtítulo In: Harvard Business Review: Decisões mais inteligentes. Rio de janeiro: Elsevier, pg.75-94.

BURNES, Bernard. (2004). Kurt Lewin and the Planned Approach to Change: A Re-appraisal. Journal of Management Studies. Vol.41. Pg. 977-1002.

CHIAVENATO, Idalberto. (2003). Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7. ed. rev. E atual. Rio de Janeiro: Elsevier.

CUNHA,M.P.,REGO,A.,CUNHA,R.C.,CABRAL-CARDOSO,C. (2003). Manual de Comportamento Organizacional e Gestão. (1a Ed.). Lisboa: Editora RH.

CORNEJO, C.O.; MARTÍN, N.L.S. (2013). Estilos de Aprndizaje y rendimiento académico en estudiantes de Pedagogia de Educación General Básica (primária) de una universidad pública en Chile. Journal of Learning Styles. Vol. 6, nº 11.

DELLAGNELO, Eloise;SILVA, Rosimeri.( 2005). Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na Administração. VIEIRA, Marcelo. Pesquisa Qualitativa em Administração: Teoria e Pratica. Organizadores: Marcelo Milano F. Vieira, Deborah M. Zouain. Rio de Janeiro: Editora FGV, 240p.

FELDER, R.M., BRENT, R. (2005). Understanding Student Differences. Journal of Engereering Education, 94(1), 57-72.

FELDER, R.M., SILVERMAN, L.K. (1988). Learning and Teaching Styles in Engineering Education, Engineering Education, vol. 78, no. 7, pp. 674–681.

FELDER, R.M, SOLOMAN. B.A. (1991). Learning styles and strategies. North Carolina State University, (s/d). Disponível em: http://www.ncsu.edu/felder- public/ILSdir/styles.htm .

HACKMAN, J.R; III LAWLER, E; PORTER, L. (1983). Perspectives on behavior in organizations. United States, McGraw-Hill.

JUNIOR, W., SAUAIA, A. (2008). Aprendizagem centrada no participante ou no professor? Um estudo comparativo em Administração de Materiais. Rev. adm. contemp. vol.12 no.3 Curitiba July/Sept.

KAYES, A., KAYES, D., KOLB, D . (2005).Experimental learning in teams. Simulation and Gaming.

KOLB, D. (1984). Experiemental Learning: Experience as the Source of Learning and Development. New Jersey: Prentice Hall.

KOLB, A., KOLB, D. (2008). The Learning Way: Meta-cognitive Aspects of Experimental Learning. Simulation and Gaming, 40, 207. SAGEPUB.

RIBEIRO, João. (2003).Comportamento Organizacional: colecção ferramentas para o empreendedor. EduWeb; Anje.

SILVA, E., MENEZES, E. (2001). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação.- 3a ed.rev. atual- Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC.

TOCCI, A.M., (2015). Caracterización de Estilos de Aprendizaje en alumnos de Ingenieria secún el modelo de Felder e Silverman. Journal of Learning Styles, Vol. 8, nº 16.

VITA, G. (2001) Learning Styles, Culture and Inclusive Instruction in the Multicultural Classroom: A Business Management Perspective. Innovations in Education and Teaching International, Taylor e Francis.

WALTER, C.E.S; FORTES, P.J.O. (2014) A influência da configuração das aulas e das avaliações na aprendizagem: um estudo de caso dos alunos do curso de Gestão da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Journal of Learning Styles, Vol. 7. nº 13.


Refbacks

  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »