Estilos de e-tutoria: um estudo no âmbito da UAB no Ceará

Bento Duarte Silva

Abstract


Na Universidade Aberta do Brasil (UAB) os tutores a distância (e-tutores) assumem uma função docente que é partilhada com tutores presenciais e professores conteudistas. A ação educacional desempenhada pelos e-tutores apresenta contornos que transcendem o que é definido nos documentos legais, na medida em que é na prática cotidiana que se percebe como esse ator se posiciona para potencializar a aprendizagem dos alunos e quais são os seus maiores desafios. Neste sentido, o presente artigo postula que os estilos de e-tutoria podem ser refletidos a partir de uma perspectiva autoavaliativa. Como embasamento empírico, o estudo envolve 35 tutores a distânciapertencentes ao Sistema UAB atuantes em duas instituições públicas de ensino superior do estado do Ceará, em torno dequatro eixos a fim de analisar o estilo de e-tutoria em uma visão sistêmica: condução pedagógica; atributos valorizados pelo e-tutor; recursos tecnológicos privilegiados na ação docente; desafios no desempenho da atividade.Os resultados obtidos visam contribuir para subsidiar futuras atividades e programas de formação para a tutoria a distância a partir do conhecimento das práticas pedagógicas priorizadas e os fatores que desafiam esse e-tutor em sua práxis.


Keywords


estilos de e-tutoria; ação docente na EaD; práticas pedagógicas.

References


Amaral, S.F & Barros, D.M.V. (2007). Estilos de aprendizagem no contexto educativo de uso de tecnologias digitais interativas. São Paulo: Editora Unicamp.

Barros, D.M.V. & Lima, V. (2009). A função tutorial na formação continuada docente. Revista Interamericana de Educación a Distancia, vol. 12, n° 1, junio, pp. 37-62.

Brasil (2006). Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação e Conselho Deliberativo. Resolução FNDE CD/nº 044, de 29 de dezembro de 2006.

Center for Children and Technology (2008). Raising Readers: Online professional development pilot course formative research report. Report to the Public Broadcasting Corporation’s Ready to Learn Initiative. New York, NY: Education Development Center, Inc.

Coutinho, C. P. (2013). Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Almedina.

Díez Hochleitner, R. (1998). El profesorado, clave de la calidad educativa In: Aprender para el futuro. Nuevo marco de la tarea del docente. Madrid, Editora Fundación Santillana. p. 37-40.

Ficagna, A. V. (2010). O Pensamento Político-Pedagógico de George Snyders.São Paulo: Editora Biblioteca 24 horas.

Garrels, M. (1997). Dynamic relationships: Five critical elements for teaching at a distance. Faculty Development Papers. Publicação online: Indiana Higher Education Telecommunication System. Disponível em: http://www.ihets.org/distance_ed/fdpapers/1997/garrels.htm

Hernández, F. & Ventura, M. (1998). A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre: Editora Artes Médicas.

Jenkins, H. (2009). Cultura da convergência: a colisão entre os velhos e novos meios de comunicação.São Paulo: Aleph.

Libâneo, J. C. (1994). Didática. Editora Cortez.

Lopez, B.G. (2008). Estilos de docencia y evaluación de los profesores universitarios sobre los modos de aprender de sus estudiantes. Revista Espanola de Pedagogia. Ano LXVI, n° 241, septiembre-diciembre, pp. 425-446.

Melaré, D. & Lima, V. (2009). A função tutorial na formação continuada docente. Revista Interamericana de Educación a Distancia, vol. 12, n° 1, junho, pp. 37-62.

Munhoz, A.S. (2015). Vamos inverter a sua sala de aula?. Joinville/SC: Clube dos Autores.

Nunes, J. B. C. &Sales, V. M. B. (2013). Formação de professores de licenciatura a distância: o caso do curso de pedagogia da UAB/UECE. Revista Educação e Pesquisa [online]. 2013, vol.39, n.3, pp.757-773.

Pinheiro, A. & Silva, B. (2004). A Estruturação do Processo de Recolha de Dados On-Line. In Actas da X Conferência Internacional Avaliação Psicológica, Formas e Contextos. Braga: Psiquilíbrios Edições, pp. 522-529.

Santos, S. C. (2001). O processo de ensino-aprendizagem e a relação professor-aluno: aplicação dos “sete princípios para a boa prática na educação de ensino superior”. São Paulo: Caderno de Pesquisas em Administração, v. 8, n. 1.

Saviani, D. (2007). O Plano de Desenvolvimento da Educação: análise do projeto do MEC. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100- Especial,out. 2007, Educação Escolar: Os Desafios da Qualidade, p. 1231-1255, Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br.

Souza, K. P. & Silva, B. (2013). Nativos digitais: atreve-te a empreender. In: Ferreira, A., Domingos, A., Spínola, C. (2013). Nas pegadas das Reformas Educativas, Atas do I Colóquio Cabo-Verdiano de Educação. Praia: Universidade de Cabo Verde, pp. 435-447.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.