A INFLUÊNCIA DA CONFIGURAÇÃO DAS AULAS E DAS AVALIAÇÕES NA APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO DOS ALUNOS DO CURSO DE GESTÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

Cicero Eduardo Walter, Paulo Jordão Fortes

Abstract


Comumente as Universidades adotam práticas de ensino e aprendizagem de forma homogênea, favorecendo o aprendizado em alguns alunos e desfavorecendo outros.  O presente estudo descreve como a configuração das aulas do curso de Gestão da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e as avaliações utilizadas para se aferir o desempenho influenciam o aprendizado dos alunos levando em consideração os seus estilos de aprendizagem. Os dados foram coletados através de observações assistemáticas durante os meses de Fevereiro a Junho de 2013 e pela aplicação do Índice de Estilos de Aprendizagem para se aferir o estilo preferencial de aprendizagem. Os resultados apontaram para a predominância dos estilos de aprendizagem Ativo, Sensorial, Visual e Sequencial, favorecidos nas aulas teóricas e desfavorecidos nas aulas práticas. No tocante às avaliações, o Regime de Avaliação Misto contribui para a avaliação da aprendizagem, enquanto que o Regime Geral cria incentivos ao não comparecimento das aulas.


Keywords


Estilos de aprendizagem; Índice de Estilos de aprendizagem; Avaliações.

References


ALMEIDA. Karine. ( 2010) Descrição e Análise de diferentes estilos de aprendizagem. Revista Interlocução, v.3, n.3, p.38-49, publicação semestral, março-outubro.

BRASIL,Ministério de Educação e Cultura. (1996) LDB-Lei nº 9394/96, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC.

BARDIN, Laurence. ( 1977) Análise de Conteúdo, Lisboa:Edição 70.

CLAVERO, Maria V. G. (2011). Estilos de Aprendizaje: su influencia para aprender a aprender. Revista Estilos de Aprendizaje, nº7, Vol 7.Abril.

CHAVES, S. M. (2003) A avaliação da aprendizagem no ensino superior: realidade, complexidade e possibilidades. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

CURY, Helena.(2000 )Estilos de aprendizagem de alunos de Engenharia. XXVIII Congresso brasileiro de Ensino de Engenharia, Ouro Preto. Anais.

ESTEVES, Marcos z; CORREA, Luzmila F.( 2008).Identificación de los estilos de aprendizaje em estudiantes universitários Revista Estilos de Aprendizaje, nº2, Vol 2.Outubro.

FELDER, R.M; BRENT, R. (2005) Understanding Student Differences. Journal of Engereering Education, 94(1), 57-72.

FELDER, R.M. SILVERMAN, L.K. (1988) Learning and Teaching Styles in Engineering Education,Engineering Education, vol. 78, no. 7, pp. 674–681.

FELDER, R.M; SPURLIN, J. (2005) Applications, Reliability and Validity of the Index of Learning Styles.Int. J. Engng Ed. Vol.21, No. 1, pp.103-112..

FER, S. (2007) Differences in turkish student teachers’ learning styles. Fourth Balkan Congress: Education, The Balkans, Europe, Stara Zagora, Bulgaria, 22-24 June, 238-244.

GALLEGO, Domingo J. (2013). Ya he diagnosticado el estilo de aprendizaje de mis alunos y ahora ¿ qué hago¿ Revista Estilos de Aprendizaje, nº12, Vol 11. Outubro.

JUNIOR, Waldemar, SAUAIA, Antônio. (2008) Aprendizagem centrada no participante ou no professor? Um estudo comparativo em Administração de Materiais. Rev. adm. contemp. vol.12 no.3 Curitiba July/Sept.

KOLB, David A. (1984.) Experiemental Learning: Experience as the Source of Learning and Development. New Jersey: Prentice Hall.

PORTUGAL.Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Diário da República-I Série-A. Nº 60-24 de Março de 2006.

SILVA, Edna Lúcia; MENEZES, Estera M. (2001) Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação.- 3ª ed.rev. atual- Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC,..

SANTOS, Acácia; MOGNON, Jocemara. (2010) Estilos de Aprendizagem em Estudantes Universitários. Boletim de psicologia, vol. Lx, nº 133: 229-241

YIN, Robert K. (2005) Estudo de Caso: Palnejamento e Método. – 3 ed. Porto Alegre, RS. Editora Bookman.

WEBGRAFIA

CAVELLUCCI,Lia Cristina B.(2003) Estilos de Aprendizagem: Em busca das diferenças individuais. Disponível em: http://www.iar.unicamp.br/disciplinas/am540_2003/lia/estilos_de_aprendizagem.Pdf. Acesso em 05/10/2013.

FELDER, Richard M.; SOLOMAN. (1991) Learning styles and strategies. North Carolina State University, (s/d). Disponível em: http://www.ncsu.edu/felder-public/ILSdir/styles.htm . Acesso em 05/10/2013.

FELDER, R.M. SOLOMAN, B.A. (1991) Learning Styles and Strategies. . Sitio de Internet http://www4.ncsu.edu/unity/lockers/users/f/felder/public/ILSdir/styles.htm (acesso em 07/10/2013).

SENRA et al. A relação entre os estilos de aprendizagem de Richard Felder e os tipos psicológicos de Carl Jung. Disponível em: http://www.scnept.cefetmg.br/galerias/arquivos_scnept/anais/terça_temas/terxatema1artigo21.pdf. Acesso em 10/10-2013.

SOTO et all. (2008) Estilos de aprendizagem de Felder-Soloman dos alunos ingressantes

em engenharia agronômica e engenharia florestal, ESALQ/USP. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=2945&numeroEdicao=16. Acesso em 07/11/2013.


Refbacks

  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »